El capital financiero en Lenin y sus contribuciones para el debate sobre el proceso de financierización contemporáneo.

  • Fernando Rocha Junior Leitão Universidade Federal dos Vales do Jequitinhonha e Mucuri - UFVJM. Brasil

Resumen

La hipertrofia de la esfera financiera en el capitalismo reciente no altera el mecanismo estructural del modo de producción capitalista, es decir, la apreciación del valor a través de la extracción de la plusvalía. La ilusión, la creación de valor de encanto y valor añadido en la órbita financiera a través de la acción del capital a interés y capital ficticio es algo engañoso, una mistificación. El exacerbado grado de rentista y parasitario del capitalismo actual refuerza el argumento de Lenin sobre el capital financiero, explícito en El imperialismo, fase superior del capitalismo. Por lo tanto, una comprensión teórica efectiva de la categoría de “capital financiero” y su articulación, y las conexiones con las formas de capital a interés y capital ficticio puede proporcionar pistas que aclaren efectivamente el funcionamiento de los “engranajes” utilizados para la producción y reproducción del capital. Como es sabido, hoy, más que nunca, prospera la lógica rentista, especulativa y parasitaria como regente de la dinámica de la acumulación capitalista.

Abstract

The hypertrophy of the financial sphere in contemporary capitalism has not changed the structural mechanisms of the capitalist mode of production, that is, the appreciation of value through the extraction of surplus value. The illusion, the enchantment value creation and added value in the financial sphere through the action of interest-bearing capital and fictitious capital is fallacious: a mystification. The rentier and parasitical characteristics of contemporary capitalism are exacerbated to unprecedented degrees and actually reinforce Lenin's argument about the financial capital, explicit in his Imperialism, the Highest Stage of Capitalism. Therefore, in our judgment, an effective theoretical understanding of the financial “capital category” and its articulation and connections with forms of interest-bearing capital and fictitious capital may provide clues that effectively elucidate the operation of the "gears" used for production and reproduction by capital. Since today, more than ever the rentier, speculative and parasitic logic flourishes through the dynamics of capitalist accumulation.

Resumo

A hipertofia da esfera financeira no capitalismo recente, em nada muda o mecanismo estrutural do modo de produção capitalista, isto é, a valorização do valor via a extração de mais valia. A ilusão, o encantamento de criação de valor e mais-valia na órbita financeira por meio da atuação do capital portador de juros e do capital fictício é algo falacioso, uma mistificação. O exacerbado grau rentista e parasitário do capitalismo atual, na verdade, reforça o argumento de Lenin sobre o capital financeiro explicitado em sua obra: Imperialismo Fase Superior do Capitalismo. Por isso, ao nosso juízo, uma efetiva compreensão teórica sobre a categoria “capital financeiro” e sua articulação e conexões com as formas de capital portador de juros e capital fictício, podem fornecer pistas que elucidem efetivamente o funcionamento das “engrenagens” utilizadas para produção e reprodução do capital. Pois, como é sabido, hoje mais do que nunca, vicejam a lógica rentista, especulativa e parasitária como regentes da dinâmica de acumulação capitalista.

Biografía de la/os autore/as

Afiliación

Pós-doutorado em Andamento na Universidade Nova de Lisboa - Portugal. Doutor em Serviço Social pela Universidade Federal do Rio de Janeiro, Mestre em Economia Política pela Pontifícia Universidade Católica de São Paulo, Bacharel em Ciências Econômicas pela Faculdade de Ciências Econômicas de São Paulo, Licenciado em Matemática pelas Faculdades Integradas Teresa Martin, Licenciado em Pedagogia pela Universidade Bandeirante de São Paulo. Concentra suas pesquisas no marco da Crítica à Economia Política com ênfase na Teoria do Valor Trabalho e o Processo de Financeirização da Riqueza. Membro do Conselho Editorial da Revista Critica Marxista - IFCH/UNICAMP, Membro do Conselho Editorial da Revista Novos Temas do Instituto Caio Prado Jr, Membro do Conselho Editorial Externo da Revista Prima Facie do PPGCJ/UFPB, Membro do Conselho Editorial dos Cadernos em Ciências Sociais Aplicadas- UESB, Pesquisador do Núcleo de Estudos em Trabalho, Saúde e Subjetividade ? NETSS- UNICAMP, Pesquisador do Grupo de Estudos de Crítica à Economia Política - GECEP/UFVJM. Professor do Programa de Pós-Graduação em Ambiente, Tecnologia e Sociedade (PPGTAS) do ICET/UFVJM, Professor Adjunto IV lotado no Departamento de Ciências Econômicas - Universidade Federal dos Vales do Jequitinhonha e Mucur - UFVJM Campus do Mucuri na Cidade de Teófilo Otoni - M.G. Atualmente leciona nos cursos de Graduação em Ciências Econômicas e Serviço Social da UFVJM.

Citas

Belluzzo, L. G. M. (2009). Antecedentes da tormenta: origens da crise global. Campinas/São Paulo: Unesp.
Brenner, R. (2003). O Boom e a Bolha, Río de Janeiro: Editora Record.
Carcanholo, M. y Painceira, J. P. P. (2010). “A atual crise do capitalismo e suas perspectivas”. Universidade e Sociedade, n.º 45, pp.161-173.
Carcanholo, R. y Nakatani, P. (1999). “O capital especulativo parasitário: Uma precisão teórica sobre o capital financeiro, característico da Globalização”. Ensaios FEE. Porto Alegre, v. 20, n.° 1.
Chesnais, F. (1995). “A globalização e o curso do capitalismo de fim-de-século”. Revista Economia e Sociedade. Campinas: UNICAMP. Instituto de Economía. n.° 5, diciembre, pp. 1-30.
Chesnais, F. (org.) (1998). A Mundialização Financeira. São Paulo: Xamã.
Chesnais, F. (org.) (2005). A Finança Mundializada. São Paulo: Boitempo.
Colletti, L. (1978). El marxismo y el derrumbe del capitalismo. México/Madrid: Siglo XXI.
Costa, E. (2013). A crise econômica mundial, a globalização e o Brasil. São Paulo: ICP.
Goldmann, L. (1979). Dialética e Cultura. Río de Janeiro: Vozes.
Gomes, H. (org.) (2015). Especulação e lucros fictícios: formas parasitárias da acumulação contemporânea. São Paulo: Outras Expressões.
Gontijo, C. y Oliveira, F. (2011) Subprime: os cem dias que abalaram o capital financeiro mundial e os efeitos da crise sobre o Brasil. Belo Horizonte.
Harvey, D. (1993). A condição pós-moderna. São Paulo: Loyola.
Harvey, D. (2004). O novo imperialismo. São Paulo: Loyola.
Harvey, D. (2013). Os limites do Capital. São Paulo: Boitempo.
Hilferding, R. (1985). O capital financeiro. São Paulo: Nova Cultural.
Hobsbawm, E. (1995). A era dos extremos: o breve século XX. São Paulo: Cia das Letras.
Hobson, J. (1982). Estudio del Imperialismo. Madrid: Akal.
Lapavitsas, C. (2009). El capitalismo financiarizado. Madrid: Maia Ediciones.
Lapavitsas, C. (2016). Beneficios sin producción: cómo nos explotan las finanzas. Madrid: Traficantes de Sueños.
Lenin, V. I. (1975) Imperialismo fase superior do Capitalismo. Lisboa: Edições Avante!
Lenin, V. I. (1986). Cuadernos sobre el Imperialismo. Moscú: Editorial Progreso.
Lewis, M. (2014). Flash boys: a revolta em Wall Street. Río de Janeiro: Intrinseca.
Lohoff, E. y Trenkle, N. (2014). La grand dévalorisation: pourquoi la spéculation et la dette de l’état ne sont pas les causes de la crise. Paris, Post-Editions.
Lukács, G. (2003) “A reificação e a consciência do proletariado”. En: História e consciência de classe: Estudos sobre a dialética marxista. São Paulo: Martins Fontes.
Mandel, E. (1982). O capitalismo tardio. São Paulo: Abril Cultural.
Mandel, E. (1990). A crise do capital: os fatos e sua interpretação marxista. São Paulo: Ensaio.
Martins, J. (2005) Império do Terror. São Paulo: José Luís & Rosa Sundermann.
Marx, K. (1982) “O método da economia política”. En: Os Economistas: Marx. São Paulo: Abril Cultural.
Marx, K. (1983). O Capital: crítica da economia política. São Paulo: Abril Cultural, vol. 1, libro I.
Marx, K. (1984). O Capital: crítica da economia política. São Paulo: Abril Cultural, vol. 1, libro III.
Marx, K. (1985). O Capital: crítica da economia política. São Paulo: Abril Cultural, vol. 2, libro III.
Marx, K y Engels, F. (1997). Manifesto do partido comunista. Lisboa: Edições Avante!
Mazzucchelli, F. (1985). A contradição em processo. São Paulo: Brasiliense.
Mészáros, I. (2009). A crise estrutural do capital. São Paulo: Boitempo.
Moffitt, M. (1984). O dinheiro do Mundo: de Bretton Woods à beira da insolvência. Río de Janeiro: Paz e terra.
Morris, C. (2009). O crash de 2008. São Paulo: Aracati.
Nakatani, P. y Gomes, H (2015). “A natureza e as contradições da crise capitalista”. En: Gomes, H. (org.) Especulação e lucros fictícios: formas parasitárias da acumulação contemporânea. São Paulo: Outras Expressões. pp. 247-276.
Netto, J. P. (2001). Crise do socialismo real e ofensiva neoliberal. Tercera edición. São Paulo: Cortez.
Netto, J. P. (2011). Introdução ao estudo do Método de Marx. São Paulo: Expressão Popular.
Netto, J. P. y Braz, M. (2006). Economia Política: uma introdução crítica. São Paulo: Cortez.
Paraná, E. (2016). A finança digitalizada: capitalismo financeiro e revolução informacional. Florianópolis: Insular.
Roberts, R. (2000). Finanças internacionais: guia prático dos mercados e instituições financeiras. Rio de Janeiro: Jorge Zahar Editor.
Thomas, T. (2000). A hegemonia do capital financeiro e a sua crítica. Lisboa: Dinossauro.
Wood, E. (2014). O império do Capital, São Paulo: Boitempo.
Publicado
2016-12-16
Como citar
LEITÃO, Fernando Rocha Junior. El capital financiero en Lenin y sus contribuciones para el debate sobre el proceso de financierización contemporáneo.. Cuadernos de Economía Crítica, [S.l.], v. 3, n. 5, p. 37- 59, dic. 2016. ISSN 2525-1538. Disponible en: <http://sociedadeconomiacritica.org/ojs/index.php/cec/article/view/53>. Fecha de acceso: 19 jun. 2019

Palabras clave

Capital Financeiro, Capital portador juros, Capital fictício, e Financeirização.