Lenin, el imperialismo como fase y reflexiones sobre el imperialismo hoy

  • Marisa Silva Amaral Universidade Federal de Uberlândia, Brasil

Resumen

En este trabajo pretendemos situar el debate en torno a la idea de que el imperialismo está experimentando una nueva fase, en especial abierta a partir de 1970, cuando el sistema de producción capitalista comienza a mostrar cambios sustanciales en su estructura operativa, tomando como rasgo distintivo esencial con respecto a años anteriores el exacerbado aumento de la importancia del capital financiero y ficticio, así como las formas fictícias de la valorización del capital que encarnan el llamado proceso de financiarización de la economía. Esta característica distintiva habría dado lugar a una especie de complejidad de las cuestiones relacionadas con el imperialismo en su fase actual, así como elegimos definir.

Abstract

In this article we intend to situate the debate around the idea that
imperialism is experiencing a new phase, inaugurated since the 1970s,
when the capitalist system of production began to show substantial
changes in its operating structure. The distinctive feature compared to
previous years is the exacerbated increase of importance of financial and
fictitious capital, as well as forms of valorization of capital which embody
the so-called process of financialization of the economy. This distinctive
feature would have led to a kind of complexity of issues related to
imperialism in its current phase, as we choose to define.

Resumo

Neste trabalho pretendemos situar o debate em torno da ideia de
que o imperialismo vive uma nova fase, inaugurada particularmente
a partir dos anos 1970, quando o sistema capitalista de produção
passa a apresentar transformações substanciais em sua estrutura de
funcionamento, assumindo como traço distintivo essencial em relação
aos anos anteriores o exacerbado aumento de importância do capital
financeiro e fictício, bem como das formas fictícias de valorização do
capital que dão corpo ao que se convencionou chamar processo de
financeirização da economia. Esse traço distintivo teria levado a uma
espécie de complexificação dos aspectos relacionados ao imperialismo
em sua fase atual, tal como optamos por definir.

Citas

BORÓN, Atilio (2006). “A Questão do Imperialismo”. In: BORÓN, Atilio; AMADEO, Javier e GONZÁLEZ, Sabrina (org.). A Teoria Marxista Hoje: problemas e perspectivas. Buenos Aires: CLACSO.

BUKHARIN, Nikolai I. (1985). A economia mundial e o imperialismo. São Paulo: Nova Cultural (Coleção Os Economistas).

CALLINICOS, Alex (1994). “Marxism and Imperialism Today”. In: CALLINICOS, Alex et. al. Marxism and the New Imperialism. Londres: Bookmarks.

__________ (2003). The New Mandarins of American Power. Cambridge: Polity Press.
__________ (2005). “Imperialism and global political economy”. In: Internacional Socialism, n. 108, outubro.

__________ (2009). Imperialism and global political economy. Cambridge: Polity Press.

CARCANHOLO, Marcelo Dias e BARUCO, Grasiela C. da Cunha (2009). “Pós-modernismo e neoliberalismo: duas facetas ideológico-políticas de uma pretensa nova era”. In: Lutas Sociais, v. 21/22, 2009.

CORRÊA, Hugo Figueira de Souza (2011). “O Status da Categoria Imperialismo na Teoria Marxista: notas preliminares a partir do debate clássico”. In: Anais do Seminário Marx e o Marxismo 2011: teoria e prática, 28 de novembro a 01 de dezembro. Niterói: NIEP/UFF.

__________(2012). Teorias do Imperialismo no Século XXI: (in) adequações do debate no marxismo. Tese (Doutorado em Economia). Niterói: UFF, 2012.

GOWAN, Peter (2003). A Roleta Global. Rio de Janeiro: Editora Record.

HARDT, Michael e NEGRI, Antonio (2002). Império. Rio de Janeiro: Record.

HARVEY, David (2003). Condição pós-moderna: uma pesquisa sobre as origens da mudança cultural. São Paulo: Loyola.

__________ (2004). O Novo Imperialismo. São Paulo: Edições Loyola.

HILFERDING, Rudolf (1985). O capital financeiro. São Paulo: Nova Cultural (Coleção Os Economistas).

LAPAVITSAS, Costas (2008). “Financialised Capitalism: Direct Exploitation and Periodic Bubbles”. Disponível em: http://www.leftlibrary.com/lapavitsas1.pdf [acesso em 14 mar. 2012].

__________ (2011). “Theorising Financialisation”. In: Work, Employment & Society, vol. 25, n. 4, p. 611-626, dezembro.

LENIN, Vladimir. I. (1917/2009). Imperialismo, Fase Superior do Capitalismo. São Paulo: Centauro.

LUXEMBURGO, Rosa (1985). A acumulação de capital: contribuição ao estudo econômico do imperialismo. São Paulo: Nova Cultural (Coleção Os Economistas), Caps. XXV-XXXII.

PANITCH, Leo e GINDIN, Sam (2006). “Capitalismo global e império norte-americano”. In: PANITCH, Leo; LEYS, Colin (ed.). Socialist Register 2004: o novo desafio imperial. Buenos Aires: CLACSO; Londres: Merlin.

PATNAIK, Prabhat. “Whatever happened to imperialism?”. Monthly Review, 42 (6), 1990. Disponível em: http://findarticles.com/p/articles/mi_m1132/is_n6_v42/ ai_9101140/.

POWELL, Jeff (2011). “Towards a theory of subordinate financialisation”. Texto inédito, ainda não publicado.

SOTELO VALENCIA, Adrián (2007). El Mundo del Trabajo en Tensión. Flexibilidad laboral y fractura social en la década de 2000. México: Plaza y Valdes Editores.

STATHAKIS, Georges (2008). “Imperialism: Old and New Theories”. In: International Journal of Economic Sciences and Applied Research, Vol. 1, Issue 1, April.

WALLERSTEIN, Immanuel (2003). “Mundialização ou Era de Transição? Uma Visão de Longo Prazo da Trajetória do Sistema Mundo”. In: CHESNAIS, François et. al. Uma Nova Fase do Capitalismo? São Paulo: Xamã.

__________ (2004). World-Systems Analysis: an Introduction. Durham: Duke University Press.
Publicado
2017-06-01
Como citar
AMARAL, Marisa Silva. Lenin, el imperialismo como fase y reflexiones sobre el imperialismo hoy. Cuadernos de Economía Crítica, [S.l.], v. 3, n. 6, p. 153-176, jun. 2017. ISSN 2525-1538. Disponible en: <http://sociedadeconomiacritica.org/ojs/index.php/cec/article/view/87>. Fecha de acceso: 19 sep. 2018
Sección
Articulos